segunda-feira, 23 de fevereiro de 2015

Mentiram e muito para mim em Botswana

O título da postagem é quase o mesmo do livro do engenheiro Flávio Quintela. Que parece ter aprendido muito bem a lição recebida. 

Um dos sites que leio diariamente, quando tem atualização, é o Mídia Sem Máscara, criação do professor Olavo de Carvalho. Hoje tive uma ingrata surpresa, o que infelizmente está se tornando cada vez mais frequente. Ainda não tão deplorável como na época que o falecido Janer Cristaldo era um dos colaboradores. Por quê falar sobre isto? O texto do Flávio Quintela lembrou-me uma famosa propaganda da Folha de São Paulo. Aquela do Hitler.

Se for para fazer comparações esdrúxulas com outros países por quê não os Emirados Árabes ou Luxemburgo? Afinal por quais motivos o escolhido foi Botswana? A liberdade econômica, o país africano ocupa o 36º lugar e o Brasil o 118º , a renda per capita PPP superior a brasileira e a sua localização geográfica, a África. Porém não existe como comparar os dois países, é um mero exercício de mistificação.

O único país sul americano na mesma escala população, território e economia de Botswana e o Uruguai, mas mesmo para comparar os dois é preciso esquecer os diamantes. O país africano com uma população de aproximadamente 2,2 milhões de habitantes é o maior produtor mundial de diamantes em valores, US$ 2,98 bilhões em 2012 ou quase 20% do PIB cambial. Comparando com os seus vizinhos continentais possui indicadores sociais superiores a praticamente todos, talvez por ter um dos menos corruptos governos africanos. Mesmo assim a real situação da população é deplorável: desemprego de 17% e 30% da população vivendo abaixo da linha da pobreza.

Como comparar o desenvolvimento relativo dos países levando em conta apenas meia dúzia de indicadores econômicos? Esquecer propositalmente como sobrevive a população deveria ser um erro a ser evitado, "O tempo em que podíamos comparar o Brasil à Inglaterra ou à Rússia já ficou para trás. O que nos resta agora é tentar alcançar Botswana, torcendo para não virarmos uma Venezuela antes…" Esta foi a conclusão do engenheiro, mas será que ele não levou em consideração também isto: expectativa de vida em Botswana 54 anos e 23% da população adulta portadora do vírus HIV. Uma coisa tão absurda que a expectativa de vida das mulheres e menor que a dos homens, um dos poucos países do mundo nesta situação.

O grande erro da oposição ao petismo é elevar nos discursos os números e por via indireta esquecerem as pessoas. Principalmente quando não dizem toda a verdade. Enquanto a visão economicista prevalecer não existe esperança em derrotar a esquerda pela via eleitoral. Para um povo acostumado a ver o Estado como provedor o discurso liberal é eficaz para determinados e minoritários setores da sociedade. Não para obter metade mais um voto ou muito menos levar milhões às ruas para pedir a saída da governanta. 

Cia - The World Factbook
KPMG - Botswana Country Mining Guide