terça-feira, 12 de agosto de 2014

Alckmin, o ladrão da água, está roubando o Rio Janeiro e Minas Gerais

Geraldo Alckmin, o sem vergonha

O governador tucano de São Paulo impediu que fosse aumentada a vazão da represa de Jaguari, retendo indevidamente 30 m³/s que deveriam ser despejados no rio Rio Paraíba do Sul. Isto provocará o esvaziamento de todos os reservatórios a jusante. Inclusive o da represa do Funil, a responsável pela regularização do fluxo na região onde se localiza a estação elevatória de Santa Cecília, que bombeia a água para o sistema Guandu, e daí para abastecer a cidade do Rio de Janeiro.

A safadeza da Sabesp na gestão dos recursos hídricos, devido a demagogia política do PSDB, partido da esquerda social democrata, para que não fosse iniciado um racionamento a partir do último verão na cidade de São Paulo poderá provocar o caos em dezenas de cidades de três estados. No próprio estado de São Paulo, até mesmo na Pindamonhangaba do Geraldinho, Rio de Janeiro e Minas Gerais.

A água criminosamente retida pelo governo Geraldo Alckmin, numa tentativa de fazer a sua transposição para o sistema que abastece os paulistanos, não é para eles e nem os moradores da cidade de São Paulo. Esbanjaram e fizeram mau uso agora roubam o que não lhes pertencem. Querem que os outros sofram um violento racionamento para garantir a continuidade do desperdício e os votos para a reeleição do maior responsável pela situação crítica de abastecimento vivida por eles. Que a sede seja dos culpados!

(A cada segundo o governo do Estado de São Paulo retém indevidamente 30.000 litros de água que pertence aos cidadãos que não participaram da farra da água da Sabesp.)