domingo, 2 de fevereiro de 2014

Eles estão enfrentando os poderosos?

Sir Leszek Borysiewicz, vice-chanceler da Universidade de Cambridge - o ganhador do prêmio - príncipe Charles, herdeiro do Reino Unido - Paul Polman, CEO da Unilever e também membro do board of directors da Dow Chemical

Há alguns dias atrás, durante a entrega do prêmio "Unilever de vida sustentável para jovens empresários" ou "príncipe de Gales para jovens empresários sustentáveis", o príncipe Charles, herdeiro da coroa do Reino Unido, declarou que os céticos do aquecimento global causado pelo homem são "galinhas sem cabeça", ou seja, nós agimos irracionalmente, somos pessoas descontroladas e sem nenhuma conexão com a realidade. Não nos importamos com os fatos e nem com o tal consenso científico, apenas somos tolos demais ou influenciados demais para aceitarmos a sua verdade. Nem mesmo somos capazes de admitir a maravilha ambiental que é a corporação Unilever.

"...em nosso mundo moderno temos tamanha confiança cega na ciência e na tecnologia que aceitamos o que dizem sobre tudo, até na ciência do clima."

"De repente e com uma avalanche de intimidações somos informados por grupos poderosos de negadores que os cientistas estão errados e devemos abandonar nossa fé nas evidências científicas esmagadoras."

"Acabamos de ver meios engenhosos que os jovens estão criando para se afastarem do modelo econômico de "ter, fazer e desfazer".

"Então eu gostaria de saudar Paul Polman e a Unilever pelo apoio a este prêmio. É uma empresa que nunca se afastou do árduo caminho da sustentabilidade."

Belas palavras do discurso do príncipe. Grupos poderosos, quem são esses grupos que o ameaçam para abjurar da fé nas esmagadoras evidências científicas? Serão mais fortes que a academia, que as corporações como a Unilever e a família real britânica?

O ter, fazer e desfazer é uma simplificação do incentivo ao consumo além do necessário e da obsolescência programada, pergunto: o departamento de marketing da Unilever não incentiva exatamente isto? E também não lança novas famílias de produtos constantemente? Hipocrisia pouca é bobagem. Antes da Unilever (e da Dow) Paul Polman foi alto executivo da Procter & Gamble e da Nestlé, o que demonstra os seus antecedentes "sustentáveis"

Há quase quarenta anos, desde que encerrou o seu tempo de serviço na marinha britânica, após cinco longos anos de atividades, o herdeiro da coroa do Reino Unido tem se dedicado exclusivamente a espalhar as suas ideias pelo mundo. Com a sua confiança e fé cega na ciência não podemos descartar que como o seu tio-avô, Eduardo VIII, ou o pai, o príncipe Philip, possa apoiar uma solução final para os céticos do AGA. Afinal ambos os lados da sua família possuíam vários apoiadores do nazismo e a eugenia também foi uma ciência que obteve consenso nos dois lados do Atlântico.

A histeria ambientalista política e a sustentabilidade corporativa caminham juntas, possuem exatamente o mesmo objetivo: controle social em suas mãos! 

Discurso do príncipe no prêmio "sustentável" da Unilever
Headless chicken 
Prêmio Charles da Unilever