domingo, 21 de abril de 2013

Por quê eles?



Outra pergunta importante além do por quê nós, que muitos analistas e teóricos consideram uma autocrítica necessária aos americanos, é por quê eles?

Acreditando que os dois irmãos de origem chechena agiram sós a motivação para infligirem dor aos americanos e detonarem duas bombas em meio a uma multidão de civis não foi devido ao histórico próprio, da sua família ou grupo étnico. Pelas informações disponíveis podemos considerá-los como refugiados de guerra. A família foi obrigada a deixar para trás a sua região natal durante os conflitos da década de 1990, na região do Cáucaso, e acabou se dividindo entre vários países.

Na América estavam em posição privilegiada. Um recomeço acima das expectativas que tinham ao nascerem. Ambos estavam na universidade e possuíam boas perspectivas futuras. Poliglotas e com uma boa base acadêmica tinham a opção de ali permanecerem, retornarem ou optarem por um novo país culturalmente semelhante caso considerassem difícial a integração após a formatura.

Incluí-los nos inimigos criados em escala industrial pelos americanos, considerando apenas as trajetórias pessoais, não é condizente com a realidade. Visto que possuiam um algoz diverso e rival dos yankees. Todos as mudanças forçadas a que foram submetidos não foram provocadas pelos EUA. A potência opressora foi a Rússia. A manutenção da sua integridade territorial contra os movimentos separatistas não poupou nenhum tipo de esforço. Não existe crítica que possa ser feita à OTAN em suas ações bélicas que não possa ser igualmente estendida às campanhas militares russas após a desintegração da URSS.
Então por quê explodiram duas bombas contra quem teoricamente os acolheu e não os responsáveis diretos pelo desterro? Entre Boston e Nova York, onde existe um consulado russo, a distância é menor que entre o Rio de Janeiro e São Paulo.

Como não divulgaram nenhum comunicado para justificarem o ato, pelo menos nenhum veio ao conhecimento público, restam especulações. O único elemento que unem os dois a outros terroristas que atacaram países ocidentais foi a fé religiosa. Todos os outros detalhes são diversos. Os irmãos Tamerlan e Dzhokhar Tsarnaev, considerados como indivíduos, não possuiam motivos para agirem desse modo. Apenas se considerados como legião. Guerreiros da jihad que consideram todos os infiéis como inimigos do Islã pelo simples fato de não serem crentes.