sexta-feira, 2 de novembro de 2012

Leitão e o psicopata



Uma das jornalistas mais odiadas pelo lulismo. Segundo ele um exemplo pronto e acabado do conservadorismo brasileiro. Enfim, para ele, uma direitista. Ela é Míriam Leitão, do jornal O Globo, da famiglia Marinho. No seu blog hoje ela fala de Carlos Marighella. Com direito a vídeo entrevistando o jornalista Mário Magalhães, o autor do livro Marighella, o guerrilheiro que incendiou o mundo

Durante todo o vídeo as informações transmitidas tanto pelo entrevistado como pela entrevistadora transformam o monstro num ser humano decente e vítima inocente da ditadura. Tanto a de Getúlio quanto a dos militares. O verdadeiro objetivo da sua vida não é citado. Não dizem que ele dedicou a sua vida ao crime. O crime de transformar o Brasil numa ditadura ainda mais virulenta que as que existiram aqui. Para isto basta comparar o que ocorreu aqui com os acontecimentos da antiga União Soviética, da China, do Cambodja, de Cuba, da Etiópia, da Romênia, ou seja, de qualquer lugar onde tomaram o poder. O mais brando dos tiranos comunistas é mais sanguinário que qualquer Videla ou Pinochet.

O autor do livro diz que não mostra apenas o lado "favorável". Também mostraria os podres. O fato que citou foi que Marighella foi tesoureiro do PCB e que o partido recebia um mensalão do ex-governador Ademar de Barros para que os comunistas o apoiassem. Ah, e o ouro de Moscou. Para ele o grave era ser corrupto e não defender a morte de inocentes para o triunfo da "revolução". Aliás como ele explica no seu mini-manual do guerrilheiro urbano, e que desejava que fosse seguido e utilizado de forma generalizada por todo o Brasil.

Nele existem momentos de profundo humanismo socialista. As palavras são libertadoras, igualitárias e fraternas. Basta ler para saber o tipo de homem ele foi.

Mini-manual do guerrilheiro urbano PDF

A morte de Marighella se enquadra perfeitamente no que ele pregava. A emboscada era a forma de ação recomendada na doutrinação dos terroristas comunistas para castigá-los com a morte.