sexta-feira, 30 de novembro de 2012

Homenagem ao líder

A única diferença: a gravata do Obama é mais comprida

Lendo um texto do Vladimir Safatle sobre o Barack Obama fiquei em dúvida se era uma piada ou um monólogo absurdo. O último parágrafo, no entanto, merece apenas um pequeno reparo, com isto pelo menos uma oração do artigo torna-se verdadeira. O resto pode ir para a lata de lixo.

"Mas, exatamente por ­causa disso, Obama entrará para a história como realmente queria, ou seja, como o protótipo do líder mundial do século 21: alguém com imagem simpática, sensibilidade humana e capacidade nula de ação real."

Por quê não homenagear o paradigma deste novo estilo de liderança?

"Mas, exatamente por ­causa disso, Obama entrará para a história como realmente queria, ou seja, como o protótipo do líder mundial do século 21: alguém com imagem simpática, sensibilidade humana e capacidade lula de ação real."

Ambos apenas servem. Seguem estritamente os roteiros escritos pelas organizações que os controlam. As mesmas, diga-se.

P.S. Fato raro. A simples troca de um n por um l transformar uma frase escrita pelo professor de filosofia da USP em verdade. A probabilidade que isto volte a ocorrer é mínima.